Pular para o conteúdo principal

Jogos Paralímpicos de Sochi começam no dia 7 de março e o Brasil será representado por dois atletas


 - Portal Inclusão Brasil - Ações sociais e inclusivas


Os Jogos Paralímpicos de Sochina Rússia, começam, oficialmente, em 7 de março, com a cerimônia de abertura. O Brasil, pela primeira vez na história, terá atletas na competição. No snowboard, disciplina estreante nos Jogos dentro do esqui alpino, o representante será o paulistano Andre Cintra, 34. No esqui cross-country, quem fará o debut brasileiro é o também paulistano Fernando Aranha, 35.


Andre teve a perna direita amputada após um acidente de moto, quando tinha 18 anos. O primeiro contato com o snowboard foi há quatro anos. Para se adaptar à modalidade, comprou uma prótese especial e, a partir de 2009, começou a competir. Andre foi o primeiro atleta brasileiro a conquistar uma vaga para os Jogos de Sochi. Em abril do ano passado, chegou à 18ª posição no ranking que classificou 32 snowboarders. Nesta terça-feira, 25, ele embarca para Suíça, onde fará a aclimatação final antes de chegar em Sochi, em 5 de março.

Fernando Aranha tinha contato com o esporte paralímpico antes de se aventurar na neve. O paulistano, que teve poliomielite e é cadeirante, já jogou basquete em cadeira de rodas, agora compete no ciclismo adaptado e no paratriatlo. Inicialmente, Aranha iria ao Jogos graças a um convite do Comitê Paralímpico Internacional (IPC) ao Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). No entanto, o atleta, em dezembro do ano passado, conseguiu os índices necessários e, agora, chegará na Rússia por méritos próprios. O brasileiro já está em período de aclimatação nas montanhas do Colorado (EUA) e deve chegar em Sochi em 1º de março.

Além dos dois atletas, o Brasil desembarca na Rússia com dois profissionais da área de saúde (uma médica e um fisioterapeuta) e seis oficiais técnicos e administrativos. A participação do país nos Jogos de Inverno só foi possível graças à uma parceira do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) com a Confederação Brasileira de Desportos na Neve (CBDN).

O acordo entre as duas entidades, formalizado em maio do ano passado, visa o desenvolvimento de modalidades paralímpicas de inverno no país e consiste em apoio financeiro do CPB às iniciativas da CBDN no movimento paralímpico.

Os Jogos de Sochi vão reunir cerca de 600 atletas, de 44 países, durante nove dias de competição (8 a 16 de março). As modalidades do programa são biatlo, esqui cross-country, esqui alpino, hóquei e curling em cadeira de rodas. No total, serão 72 medalhas em disputa.

Perfis dos atletas

Atleta: Fernando Aranha Rocha
Data e local de nascimento: 10/04/1978, em São Paulo
Peso: 76kg
Altura: 1,63m
Classe funcional: LW11.5 (sitting)
Provas em Sochi: 15km (9/3, 3h*), 1km (12/3, 3h*) e 10km (16/3, 5h45*)
História: Por causa de uma poliomielite, Fernando Aranha teve o movimento das pernas prejudicado aos 4 anos. Aos 16, um amigo sugeriu que praticasse basquete em cadeira de rodas. Foi, então, que ele fugiu do orfanato em que vivia e foi ao Ibirapuera para conhecer um time. Começou a praticar o esporte e, a partir daí, passou a experimentar outras modalidades. Hoje, além do esqui cross-country, compete no ciclismo adaptado e no paratriatlo.

Atleta: André Cintra Pereira
Data e local de nascimento: 22/03/1979, em São Paulo (SP)
Peso: 77kg
Altura: 1,80m
Classe funcional: lower limb impaired (deficiência nos membros inferiores)
Prova: 14/3, 3h*
História: Aos 18 anos, André sofreu um acidente de moto e teve de amputar a perna direita um pouco acima do joelho. Há quatro anos, se interessou pelo snowboard e resolveu tentar se aventurar no esporte. Apesar de ter praticado surfe e skate antes de perder a perna, teve dificuldades no início da modalidade na neve. Equilibrar-se utilizando uma prótese era muito difícil. Em uma viagem aos Estados Unidos, ficou sabendo que existia uma prótese apropriada para a prática do esporte. Com o equipamento certo e as técnicas melhoradas, começou a competir entre 2009 e 2010.
*horário de Brasília

Fonte: Portal Inclusão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HAPPY LIFE PARTICIPA DE EVENTO SOBRE A LBI.

Audiodescrição foto de Natália Betto.: Foto em detalhe mostrando Natalia Betto ao lado do banner do evento. Natalia é branca, tem 1,65m, cabelos pretos lisos, na altura dos ombros, está de blusa azul, usa calça e sapatos pretos. Ela está em pé, com a mão esquerda sobre a perna. O braço direito está flexionado e a mão espalmada para cima mostra a logomarca “Dialogs for Inclusion” no banner. No canto superior direito da foto, em branco, está a logo da Happy Life. Fim da descrição. Uma empresa em fase de crescimento precisa alimentar boas ideias e se alimentar delas. Foi exatamente isso que fez a Happy Life na última sexta-feira, 25 de novembro de 2016., ao participar do Dialogs for Inclusion, experiência de benchmarking à luz da Lei Brasileira de Inclusão – LBI. O evento faz parte do projeto Saber Para Incluir, da Diversitas e teve como anfitriã a Dow Química, que recebeu em seu site no Condomínio Rochaverá, um seleto grupo com profissionais de 12 empresas: Bayer, Cetelen, DSM, Ha
A Happy Life esteve à disposição durante o período do salão do automóvel para realizar o transporte de pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida. O transporte era gratuito aos   e as saídas aconteceram da estação Jabaquara do Metrô (Na Rua Anita Costa, Nº 98) e na estação Imigrantes do metrô (Rua Engº Guilherme Winter) para o Centro de Exposições São Paulo Expo.

Depoimento Especial - Carta de Agradecimento FCD

Gostaríamos de compartilhar com vocês uma carta de agradecimento que recebemos da  FCD/BR – Federação das Fraternidades Cristãs de Pessoas com Deficiência do Brasil, referente ao atendimento realizado no dia 28 de abril de 2017. Obrigada amigos pela mensagem!!! Nós que agradecemos pela preferência e carinho com a nossa equipe. Até o próximo  Happy Transporte ! =) Segue texto da carta: São Paulo, 04 de maio de 2017. Caros amigos e amigas da Happy Life. Paz e Bem! A FCD/BR – Federação das Fraternidades Cristãs de Pessoas com Deficiência do Brasil – FCD(BR),  organizada juridicamente, é um movimento   ecumênico de evangelização  e promoção humana, tem por objeto valorizar a essência da pessoa com deficiência, destacando suas capacidades, buscando uma renovação cultural das próprias pessoas com deficiência, seus familiares, sociedade e governos, provocando com isso a verdadeira inclusão social. Migrada da França onde foi fundada em 1945, pelo Monsenhor Henri François, f