Pular para o conteúdo principal

Bahia é destaque com células-tronco.


Bahia é destaque com células-tronco















Considerado o futuro da medicina moderna, o tratamento com 
células-tronco já é
 uma realidade em Salvador. Sob a coordenação do professor e ortopedista Gildásio Dalto, pesquisadores do Hospital das Clínicas da Universidade Federal da Bahia (UFBA)
desenvolveram um tratamento para pacientes com 
necrose óssea em estágio inicial
que possui mais de 90% de eficácia comprovada.
Até o momento, mais de 60 pessoas foram submetidas com sucesso à técnica, o que
 transformou o estado da Bahia em referência nacional quando o assunto é a aplicação
de células-tronco para curar doenças nos ossos.
“Somos procurados por pacientes do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e várias
 outras partes do país. Hoje, possuímos cerca de 200 pessoas na fila para passar pelo
 procedimento e realizamos, em média, oito cirurgias por mês. Somos o único centro
no Brasil autorizado a realizar este tratamento, o que proporciona um destaque ainda
 maior para o nosso trabalho”, afirmou o professor Gildásio Dalto, que também é chefe
do departamento de cirurgia experimental e especialidades cirúrgicas do hospital.
A técnica utilizada pela equipe do Hospital das Clínicas consiste, de início, na retirada
de células-tronco mesenquimais do osso da bacia do próprio paciente. Logo em seguida,
 o material é injetado nas áreas atingidas pela osteonecrose e substituem as células
 ósseas mortas.
Segundo Gildásio Dalto, o método foi retirado de uma pesquisa desenvolvida na França e que já foi implantada em outras partes do mundo, como Inglaterra, Itália, Alemanha, Bélgica e Estados Unidos.
“Em 2005 conseguimos a autorização e a verba do Ministério de Ciências e Tecnologia e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) para instalação do nosso centro de pesquisas. Desde então aprimoramos a utilização das células-tronco em pacientes com necrose óssea em estágio inicial e devido aos nossos resultados, já recebemos visita de especialistas de Angola, Portugal e Argentina”, disse o professor.
Ainda conforme Dalto, os primeiros efeitos do tratamento com células tronco podem ser sentidos pelos pacientes em até 48 horas. “Em um dia ou dois eles já não sentem dor na área afetada pela doença. Depois eles precisam passar por um processo fisioterápico. Em praticamente 30 dias abandonam a bengala e passam a andar normalmente”, garantiu.
A segunda etapa do tratamento, a cargo do fisioterapeuta Paulo Lessa, é considerada tão importante quando a implantação das células-tronco na área afetada pela necrose óssea.
Já acostumado a dor e limitações impostos pela doença, os pacientes precisam reaprender a utilizar todo o potencial do corpo. “Nos primeiros quinze dias eles andam com muletas, depois fazem alguns exercícios para se reeducar. É um processo de reabilitação”, pontuou Lessa.
O tratamento é totalmente custeado pelo Governo Federal e o tempo de espera na fila é de aproximadamente um ano. De acordo com Gildásio Dalto, a pesquisa desenvolvida no Hospital das Clínicas é fundamental não só por curar pessoas que até então tinham a qualidade de vida afetada por uma doença óssea, mas também por promover inclusão social.
“A meta principal da pesquisa é a de recuperar e prevenir o agravo de pacientes com a osteonecrose. Mas também trabalhamos para fornecer saúde para pessoas com menor acesso à informação e atenção básica”, concluiu.
Veja como se cadastrar
Para se cadastrar na pesquisa com células-tronco, os pacientes devem se apresentar no Hospital das Clínicas, no bairro do Canela, munido com o cartão do SUS. Uma triagem é realizada para definir se a pessoa tem o perfil ideal para passar pelo tratamento, que é totalmente gratuito.
ATENÇÃO ESPECIAL– Segundo o professor Gildásio Dalto, a Bahia é um estado onde o surgimento de problemas ósseos são favorecidos pela própria condição genética da população, o que aumenta ainda mais a importância do trabalho desenvolvido no Hospital das Clínicas. “Vivemos em uma região em que os negros são maioria.
E a anemia falciforme, doença que atinge essa parcela da população, facilita a ocorrência de necroses ósseas. Sem tratamento, esse problema pode virar uma osteoporose em poucos anos”, descreveu o médico.
A anemia falciforme é uma doença hereditária que atinge principalmente a população afrodescendente. A doença é caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice. Essas células têm sua membrana alterada e rompem-se mais facilmente, causando anemia.
Futuro da pesquisa – Além de atender pacientes com necrose óssea, a pesquisa com células-tronco desenvolvida no Hospital das Clínicas deve, em breve, atender também crianças com má-formação óssea. “A UFBA pretende montar uma rede de assistência para crianças com deformidades. Dependemos apenas da autorização do conselho superior de medicina”, adiantou Gildásio Dalto.
Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br/
Capa da Revista Nordeste - Células-tronco
Bahia é capa da Revista NORDESTE por destaque em células-tronco
A reportagem de capa da Revista NORDESTE na edição 62, de janeiro de 2012,  com a reportagem “Milagre Científico”, trouxe um assunto que instiga muita gente: a recuperação do movimento de vítimas de acidentes, a partir de pesquisas com células-tronco. O personagem da matéria é o policial Maurício Borges Ribeiro, 47 anos, major da PM em Salvador, na Bahia, que havia ficado paraplégico após um acidente de trabalho há quase uma década.
Após uma cirurgia que extraiu células-tronco da sua bacia para a reconstituição de tecidos, Maurício começou a sentir novamente a sensibilidade da pele e formigamento nas pernas em apenas quatro dias. Mais de um mês depois, já foi possível caminhar com a ajuda de um andador e às sessões de fisioterapia.
Segundo a médica Milena Soares, que participa do projeto, esta fase de estudos só deve acabar no final de 2012. A segurança do procedimento está sendo avaliada. A pesquisa completa ainda deve durar de cinco a dez anos.
Fonte: http://www.wscom.com.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HAPPY LIFE PARTICIPA DE EVENTO SOBRE A LBI.

Audiodescrição foto de Natália Betto.: Foto em detalhe mostrando Natalia Betto ao lado do banner do evento. Natalia é branca, tem 1,65m, cabelos pretos lisos, na altura dos ombros, está de blusa azul, usa calça e sapatos pretos. Ela está em pé, com a mão esquerda sobre a perna. O braço direito está flexionado e a mão espalmada para cima mostra a logomarca “Dialogs for Inclusion” no banner. No canto superior direito da foto, em branco, está a logo da Happy Life. Fim da descrição. Uma empresa em fase de crescimento precisa alimentar boas ideias e se alimentar delas. Foi exatamente isso que fez a Happy Life na última sexta-feira, 25 de novembro de 2016., ao participar do Dialogs for Inclusion, experiência de benchmarking à luz da Lei Brasileira de Inclusão – LBI. O evento faz parte do projeto Saber Para Incluir, da Diversitas e teve como anfitriã a Dow Química, que recebeu em seu site no Condomínio Rochaverá, um seleto grupo com profissionais de 12 empresas: Bayer, Cetelen, DSM, Ha
A Happy Life esteve à disposição durante o período do salão do automóvel para realizar o transporte de pessoas com deficiência física ou mobilidade reduzida. O transporte era gratuito aos   e as saídas aconteceram da estação Jabaquara do Metrô (Na Rua Anita Costa, Nº 98) e na estação Imigrantes do metrô (Rua Engº Guilherme Winter) para o Centro de Exposições São Paulo Expo.

Depoimento Especial - Carta de Agradecimento FCD

Gostaríamos de compartilhar com vocês uma carta de agradecimento que recebemos da  FCD/BR – Federação das Fraternidades Cristãs de Pessoas com Deficiência do Brasil, referente ao atendimento realizado no dia 28 de abril de 2017. Obrigada amigos pela mensagem!!! Nós que agradecemos pela preferência e carinho com a nossa equipe. Até o próximo  Happy Transporte ! =) Segue texto da carta: São Paulo, 04 de maio de 2017. Caros amigos e amigas da Happy Life. Paz e Bem! A FCD/BR – Federação das Fraternidades Cristãs de Pessoas com Deficiência do Brasil – FCD(BR),  organizada juridicamente, é um movimento   ecumênico de evangelização  e promoção humana, tem por objeto valorizar a essência da pessoa com deficiência, destacando suas capacidades, buscando uma renovação cultural das próprias pessoas com deficiência, seus familiares, sociedade e governos, provocando com isso a verdadeira inclusão social. Migrada da França onde foi fundada em 1945, pelo Monsenhor Henri François, f